Estudo mostra que mutação do novo coronavírus que pode aumentar chances de contágio

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

A mutação, batizada de D614G, aumentou o número de “espigões” no coronavírus, parte do que lhe dá sua forma característica.“O número – ou densidade – de espigões funcionais no vírus é 4 ou 5 vezes maior devido a esta mutação”, explicou o cientista Hyeryun Choe.

Esse vírus, em particular, muda lentamente. Não esperamos que se torne mais mortal, apenas mais eficiente em se propagar” constatou Michael Farzan, um dos pesquisadores, à agência Reuters. A pesquisa da Scripps Research, que foi publicada na última sexta-feira (12), ainda está em fase preliminar e sendo avaliada pela comunidade científica.

Ainda não se sabe até que ponto essa mutação pode ou não afetar os sintomas e a transmissão do novo coronavírus. Os responsáveis pelo estudo apenas declararam terem a certeza de que a modificação provavelmente cause impactos na pandemia.

Conheça as Pós-graduações FGMED

As pós-graduações do FGMED são certificadas pelo Ministério da Educação (MEC). A formação de especialista será concedida após aprovação na prova de título. Além disso, é necessário que o médico preencha todos os pré-requisitos exigidos pela sociedade brasileira da especialidade em questão.

Informe-se sobre todas as condições diretamente com um consultor. Preencha o formulário abaixo ou entre em contato pelo 0800 11 1111.

Leia mais notícias e artigos

Está pronto para um upgrade
na sua carreira?

    Quero mais

    INFORMAÇÕES


    Preencha o formulário
    e em breve entraremos em contato.

    Pronto!
    Agora é só aguardar o nosso contato.

    Usamos cookies em nosso site para fornecer a experiência mais relevante, lembrando suas preferências em visitas repetidas.
    Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com o uso de TODOS os cookies. Para mais informações consulte nossa Política de Privacidade.