Desigualdade no acesso à saúde é tema de campanha da OMS -

Desigualdade no acesso à saúde é tema de campanha da OMS

Celebrado no dia 7 de abril, o Dia Mundial da Saúde aborda diferentes assuntos a cada ano visando conscientizar a população sobre a importância da preservação da saúde para garantir uma melhor qualidade de vida. O tema central da campanha criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para marcar a data em 2021 está relacionado aos impactos da pandemia de Covid-19, especialmente entre os grupos mais vulneráveis da sociedade.

A campanha “Construindo um mundo mais justo, equitativo e saudável após a COVID-19 na Região das Américas” é um apelo da OMS a todos os líderes mundiais para que a garantia da equidade na saúde seja o eixo central da recuperação da pandemia. Ao priorizar a questão, a expectativa é que toda a sociedade possa ter acesso a serviços de saúde onde e quando necessitarem. Além disso, a organização estimula os líderes a trabalharem em prol de condições de vida e de trabalho adequadas para todas as pessoas.

O tema também será debatido em um painel virtual promovido pela OMS. O evento ocorre às 10h do dia 7 de abril, com transmissão pelo YouTube, Facebook, Zoom e Twitter e tradução simultânea ao português, linguagem de sinais e legendas. Clique aqui para realizar a sua inscrição.

Distribuição de médicos no Brasil ilustra desigualdades

A Demografia Médica no Brasil 2020, resultado da parceria entre o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Universidade São Paulo (USP), apresenta dados que evidenciam a concentração geográfica de médicos no país. Conforme o estudo, as regiões Norte e Nordeste têm os piores indicadores, com razão de 1,30 e 1,69 médicos por mil habitantes, respectivamente – enquanto, no Brasil, a razão média é de 2,27.

A demografia também aponta para a concentração proporcional de médicos no setor privado de saúde, que atende pouco mais de um quarto dos brasileiros. Os resultados indicam que 21,5% dos médicos trabalham exclusivamente no SUS, enquanto 28,3% atuam somente no setor privado. Os outros 50,2% têm dupla prática.

Especializações médicas FGMED

Investir na qualificação profissional e formação continuada é uma maneira de estar mais bem preparado para atuar nesse cenário e contribuir para minimizar essas desigualdades. Conheça os cursos de pós-graduação na área médica do FGMED. As especializações FGMED são reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC), com excelência e qualidade no ensino EaD. A formação de especialista será concedida após aprovação na prova de título. Além disso, é necessário que o médico preencha todos os pré-requisitos exigidos pela sociedade brasileira da especialidade em questão.

Informe-se sobre todas as condições diretamente com um consultor. Preencha o formulário abaixo ou entre em contato pelo 0800 111 111 ou (11) 97159-0071 (WhatsApp).